Monday, June 30, 2008

Corrida das Fogueiras 2008

Apenas uma palavra: fabuloso!
Foi decididamente a prova mais linda que fiz até hoje.
Como tudo na vida, falhas houve, mas que na minha opinião não deixaram qualquer mancha na prova em si, nomeadamente na entrega dos dorsais, onde parece existir algumas queixas. Não foi o meu caso.
Chegámos bem cedo, eu, o Proença, a Lidia e a minha mulher, e por volta das 18:00 fomos levantar os dorsais e os chips. Aguardámos apenas 5min.
Após umas voltitas a pé por Peniche, e feito o reconhecimento da zona da partida e da meta, nada como um lanche porreiro para nos preparar para os 15kms.
Interiormente, estava algo ansioso. Não sei porquê, mas estava. Mas nada que o aquecimento não faça passar.
Eu e o meu amigo Proença, fomos para a zona do forte fazer um aquecimento, primeiro mais lento, e depois já num ritmo mais acelerado para colocar a máquina a funcionar.
Quando nos dirigimos para a zona de partida, estava completamente cheia. Estava já estragada a nossa partida. Mesmo assim, lá conseguimos arranjar um buraco por onde nos enfiar. Mas ficámos muito, muito para trás.
O vento sente-se ligeiramente. A noite fresca.
Eis que é dado o tiro de partida, ao som de foguetes. Mas não dava para olhar para cima, pois a partida foi muito atabalhoada.
Só passado o 1º quilómetro consegui me colocar no ritmo que pretendia. Nos 4min/km. O Proença já lá ia à frente, e já o tinha perdido de vista no meio de tanta gente.
Estava estragado o plano de irmos juntos.
Fui-me colocando na casa dos 3:54min/km e esperei para ver como me sentia na passagem aos 5kms. O público mesmo fora de Peniche, estava na estrada a puxar pelos atletas.
Aos 5kms, ia com cerca de 19min e qualquer coisa que ainda não confirmei. Sentia-me bem, e nesta altura pensei, já não dá para voltar atrás no ritmo. Vai ter de ser para até ao final para um bom tempo.
Nesta altura, conseguia avistar o meu companheiro sempre a cerca de 50mts. Mas com ritmos muito parecidos era dificil para mim chegar-me a ele, e fiquei com medo de esforçar-me demais e pagar mais à frente esse esforço. Resolvi ir mantendo essa distância, pois sabia que enquanto fosse a vê-lo, eu ia para um bom tempo.
A distância por vezes encurtava meia duzia de metros, não mais, para depois voltar a ficar como estava. Eu pensei. Vou bem.
Na altura em que passámos pelo interior de uma rua estreita e a descer, decidi que era aquela a oportunidade de me colar ao meu companheiro, e arranquei por ali abaixo num ritmo louco naquela altura de 3:30min/km, e antes do ínicio da subida já estava com o meu companheiro e com o grupo que ia com ele.
Fiquei mais confiante. Mais reconfortado, por ir acompanhado por alguêm conhecido.
E foi assim que iniciámos a zona toda em direcção ao cabo carvoeiro. Logo com uma subida. E na completa penumbra. Meu Deus. O escuro era negro. A estrada não se via. Apenas se sentia debaixo dos nossos pés. Ouvia-se o público no escuro a puxar por nós. Mas nós não os viamos. E eis que começa as fogueiras. Que momento maravilhoso. Fogueiras de x em x metros. Enormes a iluminar aquela escuridão imensa. Íamos num grupo de cerca de 5 atletas, com o meu companheiro a tomar contas das despesas da casa, como se costuma dizer.
Quase no final da subida, ele começou a puxar e a puxar, pensando (na altura erradamente) que a subida tinha terminado. Eu consegui reagir. Sentia-me bem muscularmente.
O único problema foi de facto uma dôr que trazia desde o quilómetro 6 na zona lombar.
Foi nesta altura que falei com o meu amigo e lhe disse que estava cheio de dôr nas costas. Se aquilo tivesse durado mais um quilómetro tinha desistido. Felizmente, relaxei mais os braços e ombros, inspirei fundo umas vezes, e a coisa passou.
O resultado da esticada do Proença, foi termos ficado apenas 3. Eu, ele, e um outro atleta.
Só que as subidas não tinham terminado, e num constante sobe e desce, que no meio do escuro quase não nos apercebiamos do quanto o percurso é enganador para quem não o conhece.
Na altura do último abastecimento, algo se passou com o meu companheiro, que deixei-o de ter junto a mim.
Olhei para trás e não o vi. Também, no meio daquela escuridão era quase impossível. Pensei que ele não viesse muito atrás e que se juntasse a mim. E de facto veio sempre não muito longe de mim. Fui mantendo sempre no mesmo ritmo, sempre concentrado no atleta à minha frente, e quando dava por mim, estava junto a ele.
Perto do quilómetro 12, juntei-me à Chantal. Que acabei por passar um pouco mais à frente.
E à entrada dos 2 últimos quilómetros, meus amigos, que sensação sentir-me como o centro das atenções. Lógicamente que não era apenas para mim, mas aquele público puxava, aplaudia atleta a atleta. Novos, velhos, crianças, todos puxavam, todos elogiavam e incentivavam.
E no último quilómetro até à meta, ainda consegui ir buscar forças para ir a 3:45min/km tudo por causa do público. Coloquei o relógio apenas para o cronómetro. Nesta altura, já não valia a pena olhar para o ritmo. Isso já não interessava. Apenas o tempo final interessava. E foi assim que entrei nos últimos 400mts, sempre a olhar para o relógio e a ver os 58min a fugir, a fugir, a fugir, e pensei, vai ser mesmo mesmo à tabela, e não deu. Por apenas 2segs, não entrei no minuto 58. Terminei com o meu tempo de 00:59:01s.
Completamente estoirado de caixa. O "pulmão" não conseguiu aguentar o que as pernas queriam correr. A nível muscular tinha ainda dado mais. Mas faltou o resto. Terminei. Recuperei junto ao gradeamento durante 1min, e pronto. Voltou tudo ao normal.
Logo logo a seguir a eu terminar, chegou o meu companheiro que vinha de um modo excelente também.
Que feliz nós estávamos. Terminámos a época em grande. Com uns records pessoais dos 15kms batidos e bem abaixo da 1h.
Depois tive de esperar pela minha mulher, que em género de treino, fez 1h:26min, que também está de parabéns, pela coragem com que enfrenta estas provas. E não são fáceis. Para ninguêm.
Para mim, esta foi "A PROVA".
Tirando a minha primeira meia maratona, que nunca mais na vida me irei esquecer, mas esta foi especial. Por todos e mais alguns motivos.
Foi a prova que mais forte mentalmente eu estive. Sempre concentrado, sempre com um objectivo a curto prazo, fosse a passagem aos 5kms, fosse o atleta à minha frente, fosse o baixar da 1h, fosse o ir aos 58min. Mantive-me sempre com força mental para conseguir não desmorecer perante as dificuldades. E até mesmo quando estive com dôr nas costas, esse facto não me desmoreceu, e aguentei alguns quilómetros assim.
E de facto, o meu amigo Proença têm toda a razão. Para se bater tempos, temos de começar fortes, logo no ritmo pretendido, caso contrário.
Sinto que cada vez estou mais forte mentalmente, devido também, tal como tinha falado alguns meses atrás, à minha mudança de atitude nos treinos e nas provas em si, e também às dicas que o meu amigo Proença me têm vindo a dar.
Obrigado amigo.
Estamos todos de parabéns!!
E para terminar.... Meu Deus, como eu adoro correr à noite!!!!!!!!!!!!!!!!

6 comments:

Anonymous said...

GRANDE Nuno,

Penso que a prova correu muito bem... os tempos foram óptimos, só foi pena a partida um pouco "conflituosa"... mas neste tipo de provas temos que estar preparados para elas - pena que, talvez por isso, não tivessemos conseguido entrar na "casa" dos 58 minutos - é que o 1º km a puxar deixa algumas marcas que, não sendo imediatamente visíveis, se vão repercutir lá mais para a frente.

Já agora uma pequena correcção - quando apertei um pouco ao km 10, a intenção não era "partir" o grupo que se tinha formado - tal como tu nunca tinha feito esta prova e não conhecia o percurso. Já na zona de partida, e enquanto esperávamos, um dos atletas já experimentados naquela prova, disse que havia uma subida ligeira de 2,5km, entre o 8º e o 10º km, e que depois seria tudo plano e a descer. Como passámos aos 10km com 39m25s senti que íamos atingir o objectivo de baixar da hora.

Só que as contas saíram furadas - é que depois do abastecimento havia uma subida que, apesar de não dar para ver, tal a escuridão, me pareceu bem mais dura. A partir daí tive algum receio de que aparecesse mais alguma e, como não estava "programado" andei ali um bocado aos papéis, ainda para mais, sózinho pois o grupo tinha-se partido.

Felizmente só houve mais uma subida, menos acentuada, e como não tinha ficado completamente "arrumado" lá fiz das tripas coração e acabei em grande estilo, com 3m32s no último km e, aparentemente, sem grandes danos.

Agora há que retemperar forças, afinal foram 17 anos sem mexer uma palha no que ao atletismo diz respeito, e já cá ando desde o dia 16 de Agosto de 2007. Como a idade já não perdoa vou fazer uma pequena pausa (sem parar completamente, pelo menos por agora), e espero regressar lá mais para Outubro na Corrida do Tejo.

Vamo-nos vendo lá pela nossa zona...

Os meus sinceros PARABÉNS pelo magnífico tempo, e fico feliz de ter contribuído um pouco para tal...

Um grande abraço do amigo,

Proença

Nuno said...

Amigo,
a correção será corrigida.
Ainda olhei várias vezes para trás, para ver se vinhas perto, mas não conseguia ver nem a ti nem ninguem.
Eu também ouvi essa dica da subida entre o quilometro 8 e 10, mas naquela altura em que nós iamos, eu ia tão concentrado, que nem me apercebi muito bem dos quilómetros actuais, talvez tenha sido essa a minha safa, e não ter jogado pelo seguro (como é o meu hábito não é, sempre com medo).
Seja como fôr, foi só uma questão de meia duzia de metros em que ficámos separados.
Eu bem olhei para trás companheiro, eu bem olhei. Até porque também me dava jeito ter-te ao meu lado até ao final para irmos puxando um pelo outro.
Mas depois já não deu. Era só para a frente.
Seja como fôr acábamos muito bem os dois, e isso é que interessa.
Parabéns também pelo teu excelente tempo

Nuno

Carlos Lopes said...

Nuno

Parabens pela prova

Nuno said...

Carlos,
obrigado pela atenção.
Tu mesmo com ainda as "atribulações" que tiveste, não fizeste um mau resultado. Imagina se tivesses ido mesmo para dar no duro desde o inicio até ao fim, e sem distração de loiras ;)

um abraço
Nuno

Anonymous said...

Boa tarde, tenho acompanhado os seus relatos desde o inicio de blog.

Gostaria de lhe dar os meus sinceros parabens pela sua evolução e empenho mas principalmente pelo tempo alcançado, baixar a 1h aos 15km já é andar...

1 abraço Jose Neto

Nuno said...

Obrigado José, pelas palavras de incentivo.

um abraço
Nuno